Tipos de pé de café

Tipos de pé de café

Tempo de leitura: 7 minutos

Tipos de pé de café

Todo mundo está familiarizado com o famoso grão de café e seu inconfundível cheirinho torrado, mas poucas pessoas já tiveram a oportunidade de ver o grão verde no pé, o que torna raro identificá-lo à primeira vista.

De forma mais simples, o cafeeiro pode atingir uma altura de até 10 metros, apresentando folhas em tons de verde escuro e um aspecto ceroso… é a partir desse cultivo que se origina aquele café delicioso e aromático!

Os cafeeiros, responsáveis por produzir os grãos de café, têm uma vida média de 20 a 30 anos e conseguem se desenvolver plenamente em diversos climas, desde que as variações de temperatura não sejam excessivamente altas.

No entanto, essas plantas preferem solos ricos e temperaturas amenas, com uma quantidade adequada de sol, mas também com chuvas frequentes (por isso a plantação no sul e sudeste brasileiro tem sido tão bem-sucedida).

Tipos de Café

Melhor café em grão

O Brasil é um dos maiores produtores de café do mundo, juntamente com a Colômbia, Vietnã e Etiópia.

Também somos o segundo maior consumidor dessa bebida. Nossa localização é favorável ao cultivo, permitindo o plantio de diversas variedades de grãos de café.

Devido às diferenças na variedade cultivada, tipo de solo, clima e altitude, cada grão apresenta características únicas em termos de aroma, sabor e outras qualidades.

Essa diversidade de fatores contribui para o destaque do Brasil no cultivo global de café, produzindo grãos de excelente qualidade.

A seguir, conheça as principais espécies de grãos de café e suas características especiais.

Café Excelsa

Recentemente, a espécie Coffea excelsa foi reclassificada como uma variedade do gênero da família Liberica devido a suas semelhanças de cultivo, mas muitos especialistas ainda a consideram uma espécie distinta.

A planta de café Excelsa cresce em grandes árvores de 20 a 30 pés, semelhante ao café Liberica, e é encontrada principalmente em altitudes do sudeste da Ásia.

No entanto, representa apenas 7% da produção mundial de café.

Apesar disso, a Excelsa é amplamente usada em misturas para adicionar um sabor extra e maior complexidade de notas.

Seu grão possui um corpo azedo e frutado, semelhante a uma torra leve, com notas roasty escuras.

Café Liberica

A espécie Coffea liberica, embora mais rara atualmente, desempenhou um papel econômico importante na história mundial do café.

Por volta de 1890, um grande surto de ferrugem afetou 90% das plantações de café Arábica em todo o mundo.

Para enfrentar essa crise, muitos agricultores passaram a cultivar café Liberica para atender à demanda.

As Filipinas foram pioneiras nessa mudança, sendo naquela época um território dos EUA e se tornando a única fornecedora de café por um período.

No entanto, após a independência das Filipinas dos Estados Unidos, os suprimentos de café foram cortados, prejudicando a produção do Liberica.

Anos mais tarde (1995), conservacionistas resgataram as últimas plantas remanescentes e as transplantaram em regiões filipinas mais adequadas para o desenvolvimento do Liberica.

Apesar disso, a variedade Arábica já era a mais produzida no mundo, resultando em uma ausência temporária do Liberica que ainda é sentida no mercado até hoje.

O café Liberica possui grãos maiores e frequentemente assimétricos, sendo o único grão de café no mundo com essa forma irregular.

Seu aroma é singular, com notas florais e frutadas, além de um corpo completo com sabor defumado e amadeirado.

Café Arábica

O café Arábica é o tipo responsável por mais de 60% da produção mundial da bebida, sendo especialmente predominante no cerrado mineiro.

Originária das regiões montanhosas da Etiópia, essa planta é cultivada em grandes altitudes, acima de 1000 metros, onde recebe chuva e sombra abundante.

A qualidade do grão melhora significativamente em regiões de cultivo mais elevadas, como aquelas a 1200 metros de altitude.

No Brasil, o Arábica é cultivado em várias regiões, com destaque para Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Bahia e uma porção menor no Espírito Santo.

Apesar de sua popularidade e grande demanda, o cultivo do Arábica requer cuidados meticulosos, pois é facilmente afetado pelo ambiente e propenso a doenças, especialmente quando cultivado em grandes grupos (monocultura).

Por outro lado, os pés de café Arábica são relativamente pequenos e fáceis de podar, o que facilita a colheita.

Os grãos passam por uma seleção minuciosa desde o plantio até a colheita e torrefação.

Os melhores grãos possuem qualidade superior, com corpo brilhante, acidez equilibrada e uma complexidade multifacetada de sabores e aromas.

Com metade da cafeína presente em outros tipos de café e um teor maior de açúcares, o Arábica é ideal para a produção de bebidas gourmet e blends variados.

No Brasil, algumas das variedades mais consumidas e de melhor qualidade são: Typica, Caturra, Mundo Novo (ou Novo Mundo), Bourbon, Catuaí Amarelo, Catucaí, Topázio, Icatu, Acaiá e Blue Mountain.

Café Robusta ou Conilon

O café Robusta é o segundo grão mais produzido no mundo devido à sua alta tolerância e adaptação a diferentes ambientes.

Seus grãos são provenientes da planta da espécie Coffea canephora, originária da África ocidental.

Essa variedade de café é cultivada em vários países, com destaque para o Vietnã e o Brasil.

A planta prospera facilmente em regiões de clima quente e úmido, com chuvas irregulares e altitudes mais baixas, até 600 metros.

Devido à sua maior concentração de cafeína em comparação com a variedade Arábica (entre 2 e 4,5%), o café Robusta é mais resistente a pragas e, portanto, mais fácil, prático e econômico de ser cultivado.

Seu sabor é mais intenso, forte e amargo, proporcionando um corpo pesado com notas de amargor, mas com textura suave, baixa acidez, sabor achocolatado e finalização prolongada.

É uma escolha ideal para quem gosta de tomar café com leite, creme e açúcar.

Além disso, os grãos de café Robusta são frequentemente utilizados para produzir café solúvel ou misturados (blends) com outros tipos de grãos.

Embora não seja considerado um café especial, quando cultivado com cuidado, pode gerar grãos de excelente qualidade.

Os tipos mais comercializados no mundo

Quais partes a cafeteira possui?

Cientificamente, o café é um vegetal da família Rubiaceae, gênero Coffea, com mais de 90 espécies descritas. No mercado mundial, apenas quatro espécies têm relevância significativa.

As espécies mais relevantes são o café arábica (Coffea arabica), cultivado principalmente no Brasil, Colômbia, América Central, Ásia e leste da África; e o café robusta (Coffea canephora), predominante na África, Brasil e Ásia.

Juntos, eles correspondem a aproximadamente 98% da produção e consumo globais.

Outras espécies mencionadas são o café libérica (Coffea liberica), originário da Libéria e atualmente produzido principalmente na Malásia e Guiana; e o café excelsa (Coffea dewevrei), mais robusto e frequentemente utilizado em blends com café arábica.

Essas duas últimas espécies representam aproximadamente 1% da produção mundial.

Conclusão

Como fazer café perfeito: passo a passo

O café é uma bebida apreciada mundialmente, com uma ampla diversidade de espécies dentro do gênero Coffea.

Embora existam mais de 90 espécies descritas, apenas quatro se destacam no mercado global: o café arábica e o café robusta, responsáveis por cerca de 98% da produção e consumo de café no mundo.

Além disso, o café libérica e o café excelsa complementam o seleto grupo de espécies exploradas comercialmente, contribuindo com aproximadamente 1% da produção mundial.

Essa riqueza de variedades oferece diferentes perfis de sabor e aroma, tornando o café uma bebida versátil e apreciada por muitos paladares.

A contínua pesquisa e cultivo dessas espécies são essenciais para garantir a qualidade e sustentabilidade da indústria cafeeira, satisfazendo os consumidores e impulsionando o mercado global de café.